Entrevista: A transformação digital da Airbus

Entrevista publicada no Blog da Lantek e traduzida pela SKA.

Juan Ignacio Castro, um entusiasta de tecnologia com mais de uma década de experiência em fabricação aeronáutica, lidera a divisão de transformação digital da Airbus. Ele deixou claro que a transformação digital implica um esforço da parte de todos: a empresa, os funcionários e os fornecedores. Para se adaptar e se manter competitiva no mercado, “é importante para toda a cadeia de valor desenvolver produtos e serviços inovadores”, diz Castro.

O que a transformação digital significa para a Airbus?

A Airbus iniciou o processo de transformação digital para atender às necessidades dos clientes. Foram eles que nos levaram por esse caminho, exigindo pedidos customizados com metas de entrega curtas, o que nos obrigou a agilizar as entregas. Para isso, é necessário ter uma visão geral de todos os processos (design, desenvolvimento, vendas, serviços, etc.) e conectar todos os dados gerados durante as operações associadas, do começo ao fim. Em outras palavras, uma solução de ponta a ponta.

Essa situação nos levou a nos digitalizar. Para mudar a maneira como fabricamos, usar diferentes tecnologias que nos tornam mais perturbadores (plataforma digital, analítica de dados, gêmeos digitais, robôs colaborativos, drones, óculos de realidade aumentada etc.), para usar os dados que usamos na produção para realizar virtual testes, para oferecer novos serviços, novos modelos de negócios (manutenção preditiva). Ao mesmo tempo, mudamos nosso relacionamento com os clientes e mudamos a maneira como trabalhamos. Em suma, com a digitalização, podemos melhorar nossa produção, encurtar os tempos de produção e desenvolvimento, gerar novos serviços e novos modelos de negócios associados a esses serviços.

Como você gera valor a partir dos dados?

Com base na análise de dados, nossos engenheiros trabalham combinando nossos próprios dados com os do cliente. Isso gera valor ao permitir que façamos coisas como sugerir as ações não programadas mais eficientes para as equipes de manutenção. Por exemplo, em nossa divisão de vendas, reduzimos o tempo em que uma aeronave permanece em aeroportos que não são a base de operações da companhia aérea em 30%.

A análise de dados, que é um dos nossos principais focos, também serve para reduzir o retrabalho durante a fabricação. Através dessas ferramentas, podemos identificar padrões de não conformidade e encontrar as soluções mais adequadas imediatamente. Há exemplos que mostram uma redução no retrabalho de até 20% e isso nos permite produzir mais rápido.

A análise de dados também nos ajuda a ser mais eficientes no armazenamento. Nós capturamos esses dados usando o que é conhecido como Internet of Things (IoT), usando sensores em nossas fábricas e aeronaves. Finalmente, "como" fazemos as coisas também é importante. Trabalhamos com equipes multifuncionais que desenvolvem produtos mínimos viáveis ​​em um curto período de tempo. Em outras palavras, eles desenvolvem rapidamente soluções valiosas para um determinado escopo. Então, se forem bem-sucedidos, eles serão ampliados para toda a empresa ou para usos adicionais.

Podes citar exemplos práticos do uso dessas inovações na Airbus?

Nós também usamos Digital Twins (Gêmeos Digitais). Nossos engenheiros de projeto criam um modelo virtual que fornece a base, a ideia, para gerar automaticamente instruções de fabricação, de modo que, por meio de tablets e óculos de realidade aumentada, nossos operadores possam montar produtos seguindo as instruções dos dispositivos.

Por exemplo, no A330, há processos em que agora ocupamos um quinto do tempo exigido anteriormente para montar os chicotes de cabos que aplicam essa tecnologia. Como temos modelos virtuais, podemos realizar manufatura aditiva de algumas peças e, portanto, podemos fabricá-las a um custo menor. Para a Airbus, os gêmeos digitais e os sistemas 3D são uma decisão estratégica. Eles nos ajudam a fabricar mais rapidamente. O fato de termos modelos virtuais de nossas aeronaves nos permite realizar testes virtuais, o que reduz o tempo utilizado em testes físicos. Isso nos permite falhar e verificar erros antes da fabricação. Também nos ajuda a melhorar projetos, serviços etc. Em suma, reduzimos o tempo de desenvolvimento.

Também testamos usando robôs colaborativos, com os quais nossos funcionários podem trabalhar lado a lado, para realizar inspeções de aeronaves no solo quando aterrissam. Usando sensores, o drone pode detectar coisas que o olho humano não consegue.

O que é o Skywise?

Skywise é a plataforma digital da Airbus, que visa integrar todos os dados da empresa para agregar valor aos nossos clientes. Além disso, nossos funcionários e fornecedores têm acesso a ele. Tem vários níveis: Servidores onde os dados são armazenados; aplicações para gerenciar esses dados (padrões, algoritmos); e aplicações específicas, como as já mencionadas quando falamos sobre o uso de dados.

Com relação à empregabilidade, qual o impacto da digitalização na Airbus?

Estão sendo criados trabalhos associados a novas tecnologias (Análise de Dados, Realidade Virtual, Realidade Aumentada, 3D, IoT, Inteligência Artificial, robótica, drones etc.) e surgiram outras competências para conectar essas tecnologias ao cliente. Nossa experiência mostrou que todos os tipos de perfis são necessários. Temos novos especialistas que agregam valor com novos recursos e experientes engenheiros da Airbus com conhecimento de onde essas habilidades podem ser aplicadas ... A diversidade é necessária para a digitalização.

É difícil encontrar esse novo talento?

Investimos em pessoas, em seu treinamento, para que possam adquirir esses novos recursos. Mas, assim como as novas tecnologias exigem uma abordagem diferente para os negócios, também precisamos abordar o talento de uma maneira diferente. Nesse sentido, a Airbus também colabora com outras empresas, PMEs e possui centros de inovação para colaborar com startups e aproveitar esse talento.

Uma empresa digitalizada precisa que seus fornecedores também sejam digitalizados.

É importante desenvolver produtos e serviços inovadores para toda a cadeia de valor, por isso é importante que os nossos fornecedores estejam digitalizados. Dessa forma, podemos fazê-los trabalhar conosco usando modelos virtuais ou ajustar sua produção à nossa demanda e reduzir o estoque.